Volkswagen declara o “Dia Internacional da Kombi”

Pela primeira vez, marca celebra o 2 de junho mundialmente. Filial brasileira possui exemplares raros no acervo interno. Nova geração elétrica também já roda aqui




A Volkswagen celebra, pela primeira vez, o “Dia Internacional da Kombi”. A partir de agora, institui a marca, todo 2 de junho será dedicado à “Velha Senhora”, um dos modelos mais populares, longevos e amados de todos os tempos.

A iniciativa de estabelecer a data veio da Volkswagen of America, atualmente comandada por Pablo di Si, argentino que até março deste ano foi presidente executivo da subsidiária brasileira. Durante esta primeira celebração oficial dedicada à Kombi, em Huntington Beach, Califórnia, a marca apresenta para o mercado estado-unidense a versão com entreeixos longo do VW ID.Buzz, o sucessor 100% elétrico do utilitário.

A Kombi foi o primeiro veículo fabricado pela Volkswagen do Brasil, antes mesmo do icônico Fusca. O nome Kombi, aliás, é uma abreviação adotada aqui no país, para o termo em alemão Kombinationsfahrzeug, que, em português, significa “veículo combinado” ou “combinação do espaço para carga e passeio”.

Também foi o primeiro feito pela empresa fora da Alemanha. A montagem do modelo nacional começou no ano de 1953, em um galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo. A partir de 2 de setembro de 1957 passou a ser efetivamente produzida no Brasil, na Fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP).

Para celebrar este primeiro Dia Internacional da Kombi, a Volkswagen do Brasil conta um pouco da história das preciosidades que fazem parte do acervo da Garagem VW. Veja:

KOMBI “CORUJINHA” (1961)

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é vw-kombi-corujinha-acervo-anchieta.jpg
Em ordem: Kombi “Corujinha” 1961 e Kombi Standart 2013 (última unidade produzida)

Ao longo de mais de 60 anos de estrada, a Kombi “Corujinha” – como o modelo original foi carinhosamente apelidado no Brasil, por causa do parabrisa bipartido e da junção dos frisos frontais, voltada para baixo, lembrando o bico do pássaro de rapina – ajudou muita gente, em todos os cantos do país, a construírem histórias marcantes – o que vale, também, para a unidade integrada ao acervo da Garagem VW.

Com a famosa pintura em dois tons (saia-e-blusa), combinando o vermelho calipso com o branco lótus, sua trajetória, desde a saída da fábrica em 1961, aconteceu ao lado de clientes da VW pelo Brasil, que mantiveram a “Kombosa” em perfeito estado.

Garagem VW, na Fábrica Anchieta

Em 2012, foi comprada pela VW de um colecionador e retornou para sua casa na fábrica da Anchieta, onde passou por restauração completa. Anos depois, em 2019, foi incluída no acervo de clássicos para a inauguração da Garagem VW, impecavelmente preservada. Trata-se da unidade mais antiga do acervo – literalmente, uma respeitosa “Velha Senhora”.

KOMBI PICK-UP

Kombi Pick-Up 1999

Devastada durante a Segunda Guerra Mundial, a Stadt des KdF-Wagens (ou, “cidade do KdF-Wagen”, nome oficial do Fusca até o término do combate) voltou a funcionar inicialmente como oficina de reparos para veículos militares, antes de retomar à produção civil, em dezembro de 1945, já renomeada para Wolfsburg.

Para resolver a escassez de empilhadeiras dentro da fábrica ainda em reconstrução, inventou-se o Plattenwagen: sobre o chassi de Fusca, uma chapa longitudinal (daí o platten, que pode ser traduzido como “prancha”) foi instalada à frente do motorista e seus comandos. Era o embrião da Kombi.

Kombi Pick-Up 1999

Do lado de cá do Atlântico, a Fábrica Anchieta também teve suas soluções internas, como é o caso desta Kombi Pick-Up, de 1999, utilizada pelo Desenvolvimento do Produto para transporte de peças e veículos, com carreta acoplada.

A unidade em exposição rodou até 2017, para então ser totalmente restaurada pelo departamento e ser incorporada ao acervo. Como curiosidade, a Kombi Pick-up foi produzida até a década de 2000.

KOMBI LAST EDITION 2013

Kombi Last Edition 2013

Esta é uma das maiores raridades entre os modelos expostos na Garagem VW: trata-se da última unidade fabricada na planta da Anchieta. A Volkswagen do Brasil, única subsidiária a manter a produção da Kombi à época, confirmou o fim da produção do modelo em 14 de agosto de 2013. Isso, porque não seria possível instalar no utilitário o airbag duplo e o sistema de freios ABS, itens de segurança que se tornariam obrigatórios em todos os veículos novos a partir do ano seguinte.

O fim de uma trajetória de então 56 anos ininterruptos de produção não passaria em branco, e a versão Last Edition (Última Edição) – inicialmente limitada a 600 unidades, mas, em seguida, ampliada para 1.200 exemplares – chegaria para coroar a carreira da Kombi no Brasil com itens exclusivos, como pintura “saia e blusa”, pneus com faixa branca, adesivos nas laterais traseiras alusivos à versão de colecionador e cortinas nas janelas.

Kombi Last Edition 2013

Como em outras edições especiais, o modelo era acompanhado por uma plaqueta numerada no painel e um certificado de autenticidade. O exemplar exposto agora na Garagem VW é o de número 0056/1200 e seguiu diretamente da linha de montagem para o acervo da Volkswagen do Brasil. Com menos de 100 km aferidos no hodômetro, encontra-se totalmente original.

ID. BUZZ 2023

VW ID.Buzz 2023

O ID.Buzz, versão mais recente e 100% elétrica da Kombi, tem agenda cheia desde que desembarcou no Brasil, no final do ano passado.

Após a passagem pelo Rock in Rio 2022, o simpático modelo fez fotos ao lado da Kombi T1 1961, a “Corujinha” do acervo VW, foi flagrada em pontos turísticos da Cidade Maravilhosa e, agora, segue a programação de apresentações em grandes eventos pelo país.

Fonte: Volkswagen Brasil e America I Edição: Fábio Ometto I Imagens: Divulgação




Sobre Universo Motor 1043 Artigos
Jornalista e editor de conteúdo