Porsche usa “game engines” para criar veículo do futuro

Subsidiária de engenharia da marca alemã está aplicando recursos dos motores de jogos para entregar ao cliente veículos cada vez mais eficientes e customizados

Porsche usa “game engines” para criar veículo do futuro

A Porsche Engineering, fornecedora de serviços em tecnologia e subsidiária da Porsche, está aplicando os recursos oferecidos pelos chamados game engines – ou motores de jogos, em português -, desenvolvidos dentro da indústria de entretenimento eletrônico, para conceber o veículo inteligente do futuro.

Trocando em miúdos, o game engine é um programa de computador (software), ou um conjunto deles, que serve para facilitar o trabalho de criação de jogos eletrônicos e outros tipos de aplicação dentro do design eletrônico. Essas ferramentas geram imagens virtuais com fidelidade de fotos reais (fotorrealismo) e garantem o comportamento fisicamente correto dos objetos nos videogames e jogos para computadores. Dessa forma, os desenvolvedores dos games, como são mais conhecidos, dispõem, de maneira intuitiva e em tempo real, aquilo que, sem os motores de jogos, teria de ser feito repetidamente a cada novo projeto.

Tecnologia cria imagens virtuais com fidelidade e comportamento reais

Assim, a Porsche Engineering está aplicando esses recursos para o desenvolvimento e testes virtuais de funções de condução com níveis de automação bastante elevados. Segundo a empresa, esse procedimento reduz os prazos de desenvolvimento, economiza custos e proporciona uma mobilidade mais segura. No configurador de veículos da Porsche, por exemplo, os game engines auxiliam o cliente na configuração do seu novo veículo de forma customizada, materializando na tela suas preferências para cada item.

“Utilizamos uma ampla variedade de tecnologias para desenvolver e testar o veículo conectado e inteligente do futuro,” explica Dirk Lappe, presidente executivo da Porsche Engineering. “Os game engines têm papel crucial nesta situação, juntamente com a inteligência artificial. Eles treinam os sistemas de assistência ao motorista com dados de sensores sintéticos. De forma que cada cenário e eventualidade possam ser simulados detalhadamente.”

Ferramenta permite testes repetidos com ou sem modelos reais, poupando tempo e custos

Ainda de acordo com a Porsche Engineering, os algoritmos (cálculos matemáticos) dos sistemas de assistência ao motorista demandam muito treinamento e validação; contudo, com os motores de jogos, nem todo evento que necessite de ensaios para sua validação precisa ser feito em test-drives reais.

“As conduções simuladas com a ajuda de game engines têm a vantagem de serem repetidas com a frequência necessária e podem ser controladas nos mínimos detalhes. Além dos testes virtuais e reais, a Porsche Engineering também implementa formatos mistos: um veículo real pode reagir a objetos virtuais, por exemplo”, conclui Lapp.

Experiência de compra será aprimorada com as facilidades da realidade virtual

Para a empresa, os recursos dos game engines também aprimorarão a experiência de compra do cliente. No momento, a Porsche está testando o “Configurador de Carro baseado em Realidade Virtual” (Virtual Reality Car Configurator).

Com ele, futuramente, as concessionárias da Porsche disponibilizarão aos clientes a experiência de simulação tridimensional e fotorrealista do veículo desejado, configurando-o por meio do computador para jogos e, assim, permitindo ao consumidor “ver e entrar” no veículo, virtualmente, com auxílio de óculos de realidade virtual (RV), entre outras facilidades.

Porsche Engineering é dedicada a desenvolver tecnologias de automação e conectividade

Atualmente, a Porsche Engineering conta com instalações na Alemanha, República Checa, Romênia e China, além do campo de provas de Nardò, na Itália, adquirido da Fiat em 2012 e considerado o mais completo do mundo. O quadro de colaboradores inclui cerca de 1.500 engenheiros e desenvolvedores de software, dedicados às tecnologias mais recentes como, por exemplo, nas áreas de funções de condução com nível de automação bastante elevado, mobilidade elétrica (e-mobility) e sistemas de alta tensão, conectividade e de inteligência artificial (IA), entre os principais.

Eles colocam no futuro a tradição do escritório de projetos de Ferdinand Porsche – o “pai do VW Fusca”, fundado em 1931 -, e desenvolvem as tecnologias digitais para os novos modelos que chegarão ao mercado nos próximos anos.

Fonte: Porsche do Brasil e Universo Profissional I Edição: Fábio Ometto I Imagens: Divulgação