Dakar 2021: primeiro dia tem duelo de lendas e vitória do Brasil

Abertura do rali em areias sauditas foi marcada pela disputa entre multi-campeões Sainz e Peterhansel. Na categoria de UTVs, Varela venceu, mas Gugelmin é quem levou

Dakar 2021: primeiro dia tem duelo de lendas e vitória do Brasil

Começou neste domingo (4) o Rally Dakar 2021, a maior aventura motorizada do planeta. Em sua 43ª edição, a competição da modalidade cross country será disputada pela segunda vez e inteiramente na Arábia Saudita, com saída em Jedá, mesmo local marcado para a chegada da caravana, no próximo dia 15.

Apesar da pandemia, a prova contará com o número recorde de 563 competidores desde 2013, distribuídos por 342 veículos – 144 motos, 83 carros, 46 UTVs (sigla de Utility Task Vehicle, tipo de veículo que mistura características de carro e quadriciclo), 23 quadriciclos e 46 caminhões – representando 49 países. Uma das novidades deste ano é a categoria Classic, destinada a veículos fabricados até 2000.

No total, Dakar 2021 soma mais de 7,6 mil km de percurso

O Dakar 2021 é dividido em 12 etapas, uma a cada dia, com total de 7.646 km de percurso, dos quais 4.767 km de especiais – que são os trechos cronometrados em alta velocidade, válidos para a competição; os 2.879 km restantes compõem os deslocamentos entre o ponto de chegada de cada etapa e o de largada para a próxima.

O Brasil estará representado por sete competidores, que misturam extrema experiência com renovação.

Varela (centro) tentará o bicampeonato ao lado de Justo, seu novo navegador

A categoria dos UTVs – ou SSV, de Side-by-Side (lado a lado), como prefere a organização do Dakar – contará mais uma vez com o tarimbado piloto Reinaldo Varela, único brasileiro contratado por uma equipe de fábrica nesta prova, no caso a canadense Can-Am, que produz os veículos multi-tarefa. Campeão da categoria em 2018, Varela completa este ano duas décadas de participação intermitente na prova.

A bordo do Can-Am XRS nº 404, ele fará dupla com o navegador Maykel Justo, que já participou sete vezes do Dakar na categoria Caminhões e uma na de UTVs, no ano passado, ao lado do estreante Bruno Varela, filho do atual parceiro.

Ao lado de Jones (EUA), navegador brasileiro Gustavo Gugelmin venceu primeira etapa

Ainda na mesma classe, outro brasileiro inscrito é Gustavo Gugelmin, navegador campeão do Dakar ao lado de Varela, em 2018, e que este ano formará dupla com Austin Jones, dos Estados Unidos, com o Can-Am XRS nº 408.

Várias vezes campeã do Sertões, dupla Spinelli/Haddad tenta primeiro título no Dakar

Entre os carros, as cores do país serão defendidas pela dupla de multi-campeões do Rally dos Sertões formada pelo piloto Guilherme Spinelli, que parte para o seu nono Dakar, ao lado do navegador Youssef Haddad, que estreou na prova em 2009, no protótipo Mini John Cooper Works Rally nº 335.

Estreante, Gastaldi fará dupla com campeão Roldan no Century CR6 nº 358 (centro)

Eles medirão forças diretamente contra o protótipo Century CR6 nº 358, do estreante piloto Marcelo Gastaldi, que terá do lado direito toda a experiência de Lourival Roldan, navegador que fará sua 11ª participação no maior rali do mundo, obtendo como melhor resultado o título de 2017 na categoria dos UTVs, ao lado de Leandro Torres.

Varela/Justo foram os mais rápidos na especial, mas penalizados fora dela

E o Brasil iniciou o Dakar 2021 com o pé direito no fundo – até um pouco mais do que deveria, é verdade. No sábado, a dupla Varela/Justo conquistou o melhor tempo no prólogo, prova de classificação que define a ordem de largada do rali, garantindo a primeira posição nos UTVs.

Já na primeira etapa válida para o Dakar 2021, propriamente, disputada neste domingo, com percurso total de 622 km até Bisha, eles confirmaram o excelente nível de competitividade e registraram também o menor tempo na especial de 277 km, com 3h42min44, mesmo após serem obrigados a trocar um pneu furado.

No entanto, por terem excedido em 4 km/h um trecho com velocidade limitada a 50 km/h, monitorado por radar, eles foram penalizados com o acréscimo de um minuto ao tempo final, caindo para a quarta colocação da categoria. Menos mal é que, com isso, o primeiro lugar passou para a dupla Gugelmin/Jones, que haviam chegado a menos de nove segundos de Varela, mantendo, assim, a bandeira brasileira no alto do pódio.

Tricampeão do Dakar, Sainz venceu a primeira etapa dos carros neste domingo

O primeiro dia de competições também foi marcado na categoria Carros pelo duelo doméstico proporcionado pela Mini e sua equipe dos sonhos, que este anos traz ao volante do protótipo JCW Buggy nº 300 o espanhol Carlos Sainz – bicampeão mundial da modalidade e três vezes vencedor do Dakar, incluindo a edição do ano passado, sempre na categoria Carros -, ao lado do navegador e conterrâneo Lucas Cruz; e no outro buggy, o de nº 302, o francês Stéphane Peterhansel, conhecido como o “Senhor Dakar” por ter vencido de forma extraordinária o maior rali do mundo por 13 vezes – em seis edições com as motocicletas e nas outras sete sobre quatro rodas -, que terá ao seu lado o navegador Edouard Boulanger, também da França.

Ao final da etapa de abertura, quem levou a melhor foi Sainz (pai do novo piloto da equipe Ferrari de Fórmula 1), que completou os 277 km do trecho cronometrado em 3h05min00, apenas 22 centésimos de segundo à frente de Peterhansel.

Nas motos, Toby Price foi o mais rápido no primeiro dia

Nas outras categorias, o australiano Toby Price, com uma KTM, venceu nas motocicletas, com o tempo de 03h17min49. Nos quadriciclos, a vitória foi do francês Alexandre Giraud (04h01min08). Entre os veículos leves, a primeira posição ficou para a dupla formada pela piloto espanhola Cristina Herrero e o navegador François Cazalet. Nos Caminhões, a liderança ficou para os russos Sotinikov/Akhamadeev/Akhmetzianov, a bordo do Kamaz nº  507. E Por fim, na categoria Classic, a vitória ficou com a dupla francesa MarcDouton/Emilien Etienne, com um buggy Sunhill fabricado em 1979.

Nova categoria Classic teve a vitória do buggy Sunhill 1979 na especial de abertura

O segundo estágio do Dakar 2021 acontece hoje, entre Bisha e Wadi Ad-Dawasir, com percurso total de 685 km, sendo 457 km de especial, os quais, assim a etapa inicial, tem os cenários dominados pelas dunas.

Fonte: Dakar 2021 e Agência Brasil I Tradução e edição: Fábio Ometto I Imagens: Divulgação