Sertões 2020 tem campeões inéditos em todas as categorias

Chamado de “Rally da Solidariedade”, evento percorreu mais de 4.500 km e distribuiu 11.500 cestas básicas. Estreantes Barrichello e Piquet gostaram da experiência

Sertões 2020 tem campeões inéditos em todas as categorias

A chegada da caravana do Rally dos Sertões 2020 a Barreirinhas, nos Lençóis Maranhenses, neste sábado (7) colocou um ponto final à de uma aventura de 4.562 km, que teve largada em Mogi Guaçu, no interior de São Paulo, no dia 31 de outubro, e atravessou também os estados de Minas Gerais, Goiás e Tocantins.

A edição deste ano do maior rali das Américas contou com a participação de 249 competidores, entre pilotos e navegadores, e de 155 veículos, incluindo carros, motos, quadriciclos e UTVs (uma mistura de automóvel com quadriciclo). E com emoção até os últimos quilômetros, consagrou vencedores inéditos em todas as categorias.

Sertões 2020, o “Rally da Solidariedade”

Ao mesmo tempo, o Rally da Solidariedade, como também foi chamado em função da pandemia da Covid-19, levou ajuda às comunidades carentes por onde passou, com a distribuição de 11.500 cestas básicas, além de atendimento médico e ações para incentivar a geração de renda, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Outro destaque foram as participações de pilotos convidados, como os dois ex-Fórmula 1 Rubens Barrichello e Nelsinho Piquet.

Ricardo Martins foi o campeão entre as motos, com uma Yamaha WR 450F

O mais veloz na classificação geral acumulada nos sete dias de competição foi o catarinense Ricardo Martins, da categoria motos, pilotando a Yamaha WR 450F de número 3, que finalizou a prova com o tempo total de 17h52min25. O piloto assumiu a condição de líder da equipe azul com o veto para a participação do francês Adrien Metge, que apresentou diagnóstico positivo para Covid-19 na semana do início da prova. A especial do último dia foi encerrada no km 62 (dos 223 previstos), atendendo ao pedido unânime dos pilotos em função do acidente sofrido pelo bicampeão do Sertões Tunico Maciel, com uma Honda CRF 450RX, quando brigava pela vitória geral.

“Foi um Sertões duro, muita chuva, condições diferentes, frio. Fiz um rali muito consistente, não errei navegação, não caí e andei num ritmo rápido a prova toda. Isso é fruto da preparação, acredito que colhi os frutos do que venho plantando há muito tempo.  Ter um amigo machucado hoje apaga um pouco da felicidade, mas que Deus esteja com o Tunico e que ele fique bem”, ponderou o novo campeão do Sertões.

A grande revelação nas duas rodas foi de Vítor Siqueira, com uma KTM 450EXC. Em sua primeira participação na prova, o piloto de São Paulo não apenas venceu na categoria Maratona, que era o objetivo inicial, como ficou com o terceiro lugar geral.

Dupla Marcos Baumgart/Kleber Cincea, com a picape Toyota Hilux IMA, campeões no carros

Entre os carros, um duelo em família e doméstico na equipe X Rally Team, com as picapes protótipos Toyota Hilux IMA. Marcos Baumgart, ao lado do navegador Kleber Cincea, venceu o irmão Cristian, que fez dupla com Beco Andreotti. Na terceira posição, Sylvio de Barros/Rafael Capoani (Ford Ranger T1/X Rally Team), que conseguiram resistir à pressão dos campeões de 2019, Lucas Moraes/Kaíque Bentivoglio (Ford Ranger T1 BR/MEM).

“Eu venho sonhando faz tempo, nada é por acaso. Veio na hora certa e no melhor momento. Mais um título para a X Rally Team”, comemorou Marcos Baumgart. “Essa é uma vitória da dedicação, da persistência, da resiliência. Tem muito trabalho envolvido nesse título, nada caiu no nosso colo. A gente trabalhou muito desejando esse dia de hoje. Eu só posso agradecer a essa equipe, a minha família, a todos os mecas… todo mundo. O Sertões é incrível”, competou o navdgador Kleber Cincea.

Denísio Casarini, com o Can-Am Maverick X3, levou o título nos UTVs

Nos UTVs, Deninho Casarini finalmente conseguiu entrar para a seleta galeria dos campeões do Sertões, em sua sétima participação na prova, ao volante do Can-Am Maverick X3, junto com o navegador Ivo Mayer.

“Vencer o Sertões é para poucos e fico muito feliz por ter conseguido. Não adianta só ser bom, rápido, o tamanho do investimento, é uma reunião de muitas coisas”, avaliou Casarini. “De início eram dez ou 12 candidatos à vitória; dia a dia eles foram caindo, até que hoje, na especial, éramos nós, e quase caímos também. Acabamos seguindo uma direção errada e perdemos 20 minutos. Mas valeu ter acreditado até o último quilômetro. Rali é isso, não existe a posição do conforto”, sentenciou vencedor entre os UTVs.

Por fim, o maranhense Marcelo Medeiros, garantiu o título de tetracampeão na categoria quadriciclo, no comando sua Yamaha YFM 700 (#101) ao completar todas as etapas sempre em bom ritmo, até chegar à terra natal.

O estreante Rubens Barrichello ao volante do buggy Giaffone V-8 da RMattheis

Quem também levará boas lembranças do Sertões 2020 são os pilotos convidados Nelsinho Piquet e Rubens Barrichello, ambos atualmente na Stock Car, que estrearam no rali mais importante das Américas. Apesar da participação apenas na primeira metade da prova, por conta dos compromissos com a Stock, neste final de semana, os dois ex-Fórmula 1 gostaram da experiência e sugeriram poder voltar em outra oportunidade, desta vez para disputar o Sertões até a bandeirada.

Nelsinho Piquet (esq.) correu um UTV Ca-Am, ao lado de Marcos Pastein

“Estou muito feliz com o que a gente conseguiu fazer, mas, principalmente, com a atmosfera. Estar aqui, ser parte do Sertões e dessa família é algo parecido com o que se vive nas 24h de Le Mans. Depois dos problemas nas duas primeiras etapas, foi bom fazer a especial completa e bem. Como largava mais atrás, fiz várias ultrapassagens, duas delas como na pista, meio na marra, já que o alerta (de ultrapassagem para os mais lentos) deixou de funcionar”, comemorou Nelsinho, que disputou as três primeiras etapas da competição, também pilotando um UTV Can-Am Maverick X3.

“Sei que não faço a prova toda, estou correndo como convidado, mas é legal ter essa referência em relação ao pessoal que compete habitualmente na categoria. Minha vontade é em breve fazer o rali todo, algo que depende de patrocinadores, de disponibilidade no calendário, mas que eu torço para que aconteça”, preconizou o primeiro campeão mundial da Fórmula E.

Barrichello : “Adrenalina que é o que eu mais curto”

Já o ex-piloto da Ferrari participou apenas da quarta etapa do Sertões, ao volante do buggy Giaffone V-8 da equipe RMattheis. “O rali tem muito de inesperado, e o inesperado traz uma adrenalina que é o que eu mais curto. Teve um momento em que a gente estava muito bem, muito entrosado, o motor começou a falhar com 40 km de especial, mas alguma coisa me dizia ‘respeita a natureza que a gente vai chegar’. Perdemos um pouco de tempo por isso, mas a diversão foi muito grande”, afirmou Rubinho.

“O Edu (Bampi, o navegador) me agradeceu por ter vivido a emoção de andar sem perigo. Ainda não sei qual é esse perigo, algumas vezes quase bateu, mas isso é normal de um rali. Saio daqui orgulhoso. Já levei uma P10 em minha primeira visita”, comemorou o bicampeão da Stock Car, insinuando uma volta ao Sertões.

Final de prova em Barreirinhas, nos Lençóis Maranhenses

RALLY DOS SERTÕES 2020 – CLASSIFICAÇÃO GERAL ACUMULADA:

  • MOTOS

1) #03 Ricardo Martins, (1)MT1, Yamaha WR 450 F, 17h52min25

2) #11 Júlio Cesar Zavatti, Honda CRF 450 RX, (1)MT2, 18min04min08

3) #72 Vitor Pinheiro Siqueira, (1)MT3, KTM 450 EXC, 18h13min53

4) #05 Tulio Malta, (2)MT2, Yamaha WR 450F, 18h14min58

5) #08 Bruno Leles, (3) MT2, Yamaha WR 450F, 18h30min58

  • CARROS

1) #303 Marcos Baumgart/Kleber Cincea, (2)T1, Toyota Hilux Ima, 20h08min08

2) #304 Cristian Baumgart/Beco Andreotti, (1)T1, Toyota Hilux Ima, 20h12min32

3) #315 Sylvio De Barros/Rafael Capoani, (3)T1, Ford X Rally Ranger, 20h36min12

4) #301 Lucas Moraes/Kaique Bentivoglio, (1)T1BR, Ford X Rally Ranger,20h37min16

5) #312 José Hélio Rodrigues/Lauro Sobreira, (2)OP, Giaffone Racing Buggy V8, 21h02min12

  • UTVs

1) #212 Denísio Casarini/Ivo Renato Mayer, Can-Am X3, (1)UT1, 20h40min46

2) #206 Rodrigo Luppi/Maykel Justo, (1)UT2, Can-Am X3 XRC, 20h42min24

3) #252 Marcelo Tomasoni/Breno Resende, (1)UOV, Can-Am X3, 20h50min07

4) #214 Reinado Varela/Gustavi Gulgemin, Can-Am X3 XRS, (1) UOP, 20h51min01

5) #214 Rodrigo Varela/Gunnar Dums, Can-Am X3 XRS, (2)UT1, 20h51min14

Fonte: Dunas Race I Edição: Fábio Ometto I Imagens: Divulgação