Scania lança caminhão de série mais potente do mundo, com 770 cv

Nova linha V-8 apresentada na Suécia traz inédita versão com a maior força disponível no mercado global, hoje. Não há previsão de vendas no Brasil

Scania lança caminhão de série mais potente do mundo

A estrada tem um novo rei. Ao menos na Europa, onde a Scania acaba de apresentar a nova linha de caminhões com motores V-8 de 12,4 litrows, escalonada em quatro níveis bastante elevados de potência: 530, 590, 660 e o todo-poderoso de 770 cavalos, elevando o sarrafo a um nível inédito entre os modelos de série. Dessa forma, a marca sueca retoma a posição de fabricante do caminhão de linha mais potente do mundo, que estava ocupada desde 2012 pela conterrânea Volvo, com seu FH16 750, com os sugeridos 750 cv.

No entanto, é preciso saber: se você está entre os que não perderiam a chance de fazer uma selfie ao lado de um monstrão desses por aqui, pode tirar todos os seus 770 cavalinhos da chuva. A Scania já antecipou que não tem planos de trazer qualquer um dos novos modelos para o mercado nacional. Em compensação, a nova geração de caminhões da marca, lançada no país há menos de dois anos, inclui a versão com motor V-8 de 620 cv – que não fica tão atrás.

Nova linha Scania V-8

Voltando aos últimos lançamentos, eles não só oferecem um nível recorde de potência, como, também, melhoram amplamente a eficiência de combustível, destaca a fabricante. Em comparação com a geração anterior, aponta a marca, a economia total pode chegar a 6%, ou até mais, nas condições ideais, quando a nova caixa de câmbio é incluída no trem de força. 

Ainda conforme a Scania, a economia de combustível é o resultado de um amplo trabalho realizado pelos engenheiros em sua matriz, na Suécia, envolvendo tecnologias na vanguarda do desenvolvimento de motores de combustão interna.

Motor Scania DC16 086A, de 12,4 litros

Assim, o motor DC16 086A – de oito cilindros em V, com angulo de 90º entre as bancadas, e 12,4 litros de cilindrada -, recebeu um novo sistema de gerenciamento de motor (EMS), além de mais de 70 novas peças, que resultaram na redução do atrito interno, aumento das taxas de compressão e aprimoramento dos sistemas de pós-tratamento, segundo a fabricante.

Embora a eletrificação esteja no topo da agenda global da fabricante eslava, é certo que, durante algum tempo, ainda, o mundo dependerá dos caminhões movidos a combustão interna. Por essa razão, a marca continua investindo do desenvolvimento dos motores V-8, que equiparam pela primeira vez um modelo saído de suas linhas de montagem em 1969. 

“Um caminhão de longa distância na Europa percorre cerca de 150 mil quilômetros por ano”, afirma Alexander Vlaskamp, ​vice-presidente global de Vendas e Marketing da Scania. “Uma economia razoável em mercados onde composições mais longas e pesadas são permitidas pode ser de até 3 a 4 mil litros anuais para um caminhão como o nosso novo V-8. E, por consequência, ocorre uma diminuição das emissões de CO2. Ou seja, uma grande conquista em todos os aspectos”, celebra o executivo.

Scania 770 S V8 6×4 Highline

Mas, sem dúvida, o que mais chama a atenção na nova geração V-8 é a versão topo de linha de 770 cv e impressionantes 377,3 kgf.m de torque. Com 16,4 litros de cilindrada e ângulo de 90º entre as bancadas de cilindros, provavelmente é o motor de caminhão de série mais potente produzido atualmente.

“É claro que essa super-potência não é para todos os clientes, mas vemos uma demanda global crescente por caminhões capazes de lidar com um peso bruto total combinado de 60 toneladas ou mais, para operações especiais”, avalia Vlaskamp. Segundo ele, a maneira mais rápida de aumentar a eficiência do transporte é com o uso de composições de caminhões mais longas e pesadas. “O combustível extra consumido por um veículo mais pesado é compensado pela maior capacidade de carga útil. O cálculo de emissões de CO2 por tonelada é favorável e, além disso, há a oportunidade de operar a nova linha V-8 com biocombustíveis renováveis.”

Scania R 770 XT V8 6×4 Highline

Dessa forma, é natural que a demanda por caminhões com motores V-8 seja alta em países onde é permitido o maior peso bruto total combinado, como os da região escandinava, por exemplo. Ao mesmo tempo, mercados como a Itália e a Espanha (e alguns fora da Europa) também preferem essa configuração, devido ao terreno montanhoso, com muitas estradas íngremes e desafiadoras.

“Mais carga útil significa melhor eficiência, aumento de receita e maior valor residual. Mas eu sei que alguns de nossos clientes também ficarão mais animados com a alegria e emoção de operar uma ferramenta de trabalho tão magnífica”, conclui Vlaskamp.

Veja mais detalhes da nova Scania V-8 no vídeo de apresentação feito pela marca:

Fonte: Scania do Brasil I Edição: Fábio Ometto I Imagens: Divulgação