Mercedes-Benz Accelo ganha câmbio automatizado

Sistema de transmissão inteligente é o mais novo opcional de conforto oferecido para a linha de leves. Economia de diesel pode chegar a 3%, segundo a fabricante

Mercedes-Benz Accelo ganha câmbio automatizado [Divulgação]

A Mercedes-Benz iniciou as vendas do Accelo com a opção do câmbio automatizado, no valor adicional de R$ 5 mil, aproximadamente. A configuração manual continua em produção. A nova tecnologia adiciona à caixa de mudanças convencional um sistema eletrônico de acionamento autônomo das trocas de marcha, que permite eliminar o pedal de embreagem.

A grande vantagem, afirma a Mercedes, é a otimização do consumo de combustível, pois o gerenciamento automatizado tem potencial para padronizar o modo de condução entre os motoristas, fazendo com que a média de consumo da frota melhore significativamente.

Fora isso, as trocas automatizadas oferecem maior conforto e menor carga de trabalho para o profissional do volante, diminuindo seu cansaço ao final da jornada.

Mercedes-Benz Accelo ganha câmbio automatizado [Divulgação]

O câmbio automatizado passa a integrar as listas de opcionais de três configurações do Accelo: o leve 815 (com PBT de 8.300 kg), equipado com a caixa de mudanças Eaton 6106A; o também leve 1016 (PBT de 9.600 kg), que vem com a especificação Eaton 6206A, a mesma utilizada no médio 1316 (PBT de 13.000 kg).

Esses câmbios de 6 velocidades caracterizam-se pelo ótimo escalonamento das engrenagens, com a relação de 6,20:1 para a 1ª marcha reduzida, e de 0,78:1 para a 6ª, com overdrive – ou seja, mais longa, que permite ao motor funcionar em rotações mais baixas quando o veículo estiver em velocidades elevadas, privilegiando a economia de combustível.

Mercedes-Benz Accelo ganha câmbio automatizado [Divulgação]

Com isso, destaca a fabricante, o Accelo automatizado combina excelente partida em rampa e altas velocidades operacionais, tornando o modelo apto para o uso tanto no tráfego urbano quanto nas rodovias.

Ainda conforme a Mercedes, a linha Accelo é primeira entre os caminhões leves e médios a oferecer o câmbio automatizado no mercado brasileiro.

Mercedes-Benz Accelo 2019 [Divulgação]

O sistema de transmissão automatizada do Accelo conta com dois modos de uso: a função Eco(com menor consumo de combustível) e a Power (para situações de subidas/serras e ultrapassagens).

A tecnologia também tem sistema que reconhece a inclinação da pista e o peso da carga do veículo, realizando a troca de marcha de forma mais adequada, de acordo com as condições momentâneas do trajeto e do veículo.

Após o período de testes – que envolveu a participação de clientes da Mercedes, utilizando os caminhões em condições reais de operação -, a fabricante afirma que, no caso do Accelo, o câmbio automatizado proporciona a redução de consumo de combustível de até 3% em operações urbanas, reduzindo o custo por quilômetro rodado e aumentando a autonomia do veículo.

Outra vantagem do câmbio automatizado, segundo a montadora, é o prolongamento da vida útil da embreagem em pelo menos duas vezes, reduzindo em muito as despesas de manutenção e de operação do veículo.

No conjunto da obra, a tecnologia mostra-se uma ótima solução para as operações de transporte dentro das cidades, onde as trocas de marchas são constantes.

Mercedes-Benz OM 924 LA [Divulgação]

A linha Accelo é equipada com o motor Mercedes-Benz OM 924 LA de 4,8 litros, o mesmo utilizado nos semipesados Atego de 17 ton. Ainda de acordo com a Mercedes, os Accelo 1016 e 1316 têmo maior torque da categoria, com até 62 Kgfm, 10% a mais que seus principais concorrentes.

O modelo traz também tecnologias de segurança como o assistente de partida em rampa e freios com ABS, EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem nos eixos) e ASR (controle de tração das rodas).

Mercedes-Benz Accelo ganha câmbio automatizado [Divulgação]

Desde 2017, a linha Accelo recebeu mais de 15 novidades, com destaques para a cabine estendida, banco do motorista com amortecimento pneumático, tanque adicional de 150 litros (totalizando 300 l, a maior capacidade do segmento) e, agora, o câmbio automatizado.