Cirrus Aircraft revela a segunda geração do SF50 Vision Jet

Monojato ganha maior desempenho e segurança com novos itens de controle de voo. Passageiros passam a dispor de mais recursos de produtividade e entretenimento

Cirrus Aircraft revela a segunda geração do SF50 Vision Jet [Divulgação]

A Cirrus Aircraft anunciou esta semana o lançamento da nova geração SF50 Vision Jet G2, elevando os níveis de desempenho, conforto e segurança do primeiro jato monomotor executivo do mundo. As atualizações de aviônica (o conjunto de sistemas eletrônicos de controle de voo), assim como os novos equipamentos de comando e recursos de conectividade, resultaram em melhorias de altitude de cruzeiro, velocidade e autonomia.

Para otimizar a experiência dos passageiros, a cabine do G2 traz alguns aprimoramentos como os novos assentos executivos, a redução do nível de ruído interno e o console de trabalho entre as poltronas.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
O G2 Vision Jet inclui o avançado painel de voo Garmin Perspective Touch+, que traz um novo programa, processamento mais rápido e maior resolução da tela. O equipamento também faz a conexão sem fios entre o smartphone do piloto e o painel da aeronave, possibilitando uma série de facilidades como transferências de planos de voos, atualização de dados e mensagens de texto, por exemplo.

Essas novas características se uniram às já reconhecidas capacidades do Vision Jet, incluindo o painel de voo 3D Synthetic Vision (com visão artificial em três dimensões), Surface Watch (monitoramento computadorizado de superfície), radar ativo de meteorologia, ADS-B (vigilância aérea por radiodifusão) e comunicações por satélite, entre outros.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
Combinadas, todas essas tecnologias permitem ao G2 Vision Jet voar mais alto, mais rápido e para mais longe. Isso porque, com elas, a aeronave recebeu a certificação para operar no nível 310 de altitude (cerca de 9.500 m), condição de voo que acentua o seu desempenho, por conta da menor resistência do ar.

Assim, a autonomia do monomotor a jato agora se estende para 1.200 milhas náuticas (nm), equivalentes a 2.222 quilômetros, no modo de cruzeiro a 444 km/h. Já a velocidade máxima subiu de 555 km/h, da primeira geração, para 575 km/h.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
Outro equipamento de controle de voo estreante no G2 é o Autothrottle, que se integra ao piloto automático e  ajusta, autonomamente, a velocidade da aeronave a cada fase da viagem.

Tipicamente encontrado em jatos executivos e aeronaves de transporte comercial, o acelerador autônomo diminui a carga de trabalho e oferece ao piloto mais tempo para se concentrar em outros aspectos do voo.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
Compacto e com desenho de asa baixa, o Cirrus SF50 Vision Jet mede 9,3 metros de comprimento, 11,7 m de envergadura e 3,3 m de altura total. Inteiramente construído em fibra de carbono, o modelo pesa apenas 1.620 kg, e tem capacidade de peso máximo de decolagem de 2.727 kg – incluindo os 907 kg admissíveis de combustível.

O Vision Jet G2 mantém o motor a turbina Williams International FJ33-5A, com potência de impulsão (thrust) de 1.800 libras. A novidade no sistema de propulsão são as baterias de íon-lítio com tecnologia True Blue Power, que oferecem maior capacidade de partida a frio.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
A cabine do Vision Jet G2 eleva o padrão em termos de conforto, espaço e produtividade para os passageiros. Medindo 1,2 m de altura por 1,5 m de largura, ela oferece acomodações para cinco adultos e duas crianças.

Cada banco é modular e pode ser facilmente reposicionado ou removido, permitindo mais de 25 possibilidades de configurações de assentos, segundo a fabricante.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
Nesta segunda geração, os passageiros do Vision Jet passam a contar com o console central entre as poltronas da cabine, com duas mesas laterais retráteis. Elas podem ser utilizadas para apoiar o notebook e outros dispositivos, proporcionando maior comodidade para trabalhar a bordo, ou mesmo para pequenas refeições.

Os ocupantes da cabine contam ainda com tomadas de força 110V e entradas USB para conectar o smartphone à tela de 22” (opcional), escamoteável, que se posiciona logo acima dos encostos dianteiros.

Cirrus Airframe Parachute System [Divulgação]
Desde a versão anterior, o Vision Jet também é único modelo desta categoria a incluir o Cirrus Airframe Parachute System (Caps), o sistema de paraquedas para toda a fuselagem do avião, capaz de fazer a aeronave perder altitude suavemente, em casos de falha do motor ou pane seca, por exemplo. De acordo com um estudo publicado no ano passado pela Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, a probabilidade de acidentes fatais é 13 vezes menor quando a aeronave está equipada com esse recurso de segurança passiva.

Feito com material balístico e projetado especificamente para a linha de aeronaves leves da Cirrus Aircraft, incluindo o SR20, SR22 e o próprio SF50, o equipamento é acionado pelo piloto por meio de uma alça de emergência posicionada no teto do cockpit, fazendo disparar um pequeno foguete que lança o paraquedas para fora da fuselagem, iniciando sua abertura total em poucos segundos, em condições favoráveis de vento e de altitude.

Cirrus SF50 Vision Jet G2 [Divulgação]
Chegando a 100 entregues em todo o mundo desde o seu lançamento, em 2017, o SF50 Vision Jet tem suas peças de fibra de carbono produzidas nas instalações da Cirrus em Grand Forks, no estado da Carolina do Norte, que então são enviadas para a matriz em Duluth, em Minnesota, para a montagem final.

A nova versão do SF50 Vision Jet G2 começa a ser entregue este mês, com preços que partem de US$ 2,3 milhões (cerca de R$ 8,5 milhões), para a configuração básica, e chegam a US$ 2,9 milhões (R$ 10,7 milhões), para a topo de linha.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário